Rebloqueando o bootloader e restaurando a imagem de fábrica do Moto X (2013, primeira geração)

Pois bem jovem incauto gafanhoto: você desbloqueou o bootloader do seu Moto X 2013 de primeira geração, instalou uma custom recovery, instalou uma custom rom e se arrependeu. Ou apenas quer reverter as alterações. Sei bem como é isso.

Continue Lendo “Rebloqueando o bootloader e restaurando a imagem de fábrica do Moto X (2013, primeira geração)”

Heaven Adores You

Screen Shot 2015-05-12 at 9.42.10 AM

Acho que já comentei aqui no blog que sou um fã de Elliott Smith, ele é um dos meus “guitar heroes” (ao lado de Jeff Buckley, Nick Drake e mais recentemente, José González). Conheci a música de Elliott Smith através do filme “Good Will Hunting”, cujo nome em português ficou como “Gênio Indomável”. Me lembro de ficar procurando os créditos no final do filme para descobrir que música era aquela que toca quando Will Hunting está voltando para casa de metro “…we arrived too late, our mouths were openning, I turned off the light, so come on night… – No Name #3”.

Mas infelizmente, quando me dei conta de quem fora Elliott Smith, já era tarde demais. Era 2004, um ano após seu falecimento…

Continue Lendo “Heaven Adores You”

Decomposição Cholesky

A decomposição (ou fatoração) Cholesky (pronuncia-se “Colesqui”) permite a solução de problemas que envolvam matrizes grandes em que há a necessidade de se fracionar a solução do problema (geralmente a solução de um ou mais sistemas de equações lineares), em que os fatores obtidos a partir da decomposição da matriz original, resulta em matrizes (os fatores) triangulares superior e inferior.

Continue Lendo “Decomposição Cholesky”

Makefile (mínimo!)

Quem trabalha com programação sabe que é necessário manter tudo em ordem: não importa se o trabalho é solo ou em grupo. Além de se utilizar um software de gerenciamento de códigos (eg., CVS, Subversion, git), à medida em que o(s) código(s) cresce(m), torna-se necessário (e desejável também), a utilização de algum software para o gerenciamento do projeto (eg., Redmine, Trac). Mas no meio disso tudo – na verdade, antes disso tudo, há um pequeno pedaço de software que é responsável pela organização hierárquica de todo o projeto. Estamos falando sobre o Makefile.

Continue Lendo “Makefile (mínimo!)”

Shell: fazendo o inverso dos padrões (wildcards)

Essa dica é simples, mas é aquela que você sempre quis saber. Se você sempre soube dela, parabéns, você aprendeu o Shell direito. Ou não 🙂

Suponha que você queira listar (ou copiar, mover, apagar etc) todos os arquivos de uma pasta, cujos nomes NÃO contenham um determinado padrão.

Continue Lendo “Shell: fazendo o inverso dos padrões (wildcards)”

Markdown + MathJax: Uma alternativa ao LaTeX

Recentemente o Markdown vem demonstrando – com sua simplicidade (e elegância), como uma sintaxe de texto puro pode ser objetiva e produtiva. Exemplos de sua aplicação vão desde editores de texto estilo desktop até os mais simplificados editores embarcados em smartphones e tablets. Além disso, alguns serviços disponibilizam o Markdown como alternativa a outras linguagens. Como exemplo, pode-se citar Scriptogr.am,  GitHub Pages e WordPress. Marcar um texto ao invés de formatá-lo é uma tarefa muito mais simples, pois escreve-se o texto na forma como ele deve ser apresentado. Nada de ter que escrever e depois formatar, basta “marcar”. O LaTeX é uma destas linguagens que facilitam a vida de quem escreve textos científicos, principalmente quando há a necessidade de se inserir equações. Mas muitas vezes, a sua complexidade acaba contradizendo o seu principal mote: o de manter o foco no conteúdo, e não na aplicação. Textos muito grandes em editores WYSIWYG é uma tarefa que demanda paciência, e digitar equações, demanda mais paciência ainda.

Continue Lendo “Markdown + MathJax: Uma alternativa ao LaTeX”

Instalando a suite Free PGI no OS X (e mais um pouco)

Esta semana a Portland Group – empresa desenvolvera de compiladores fortran e C (e outros produtos), lançou uma versão gratuita de seus compiladores para o OS X (exceto o compilador C++). Infelizmente, uma versão gratuita ainda não parece estar disponível para o Linux ou Windows. A instalação é bastante simples e direta: basta abrir uma imagem DMG e arrastar o aplicativo para a pasta Applications do OS X. Mas acontece que a utilização dos compiladores fica restrita apenas ao Terminal.app! Isto significa dizer que, caso você utilize outro emulador de terminal, como o iTerm2.app, você simplesmente não consegue invocar os compiladores! Isto acontece porque para utilizar os compiladores, você não deve abrir o Terminal.app, mas você precisa clicar no ícone do programa instalado (Free PGI.app) e aí sim ele abre um terminal e então os compiladores podem ser utilizados. Mas que bobagem…

Continue Lendo “Instalando a suite Free PGI no OS X (e mais um pouco)”

Review: Kit SRAM Entusiasta

Recentemente terminei de montar minha bicicleta: um misto de peças novas e usadas. Um quadro Mosso usado com garfo Suntour XCM 3 novo, freios vbrake Shimano Altus usados (com sapatas novas), pedivela Shimano Acera novo e relação SRAM “Entusiasta” nova. Como o título do post diz, vou fazer um breve review desse kit SRAM “Entusiasta”. Por que? Porque acredito que as peças da SRAM ainda não sejam tão populares quanto as peças mais populares da Shinamo, por exemplo 😉 Além disso, talvez você esteja apenas curioso para conhecer este kit ou está até pensando em adquirir o produto.

Continue Lendo “Review: Kit SRAM Entusiasta”