BatteryStatus no Gnome

Quando comprei o meu HP G42, a primeira tarefa foi atualizar o sistema operacional. De cara, instalei o Ubuntu (na época 10.04). No post install, além de ter que instalar o driver da placa de som (que só saía pelo fone de ouvido :/) tive que resolver um problema relacionado à bateria: o marcador de estado da bateria, só mostrava “Laptop battery (estimating…)”, como na imagem abaixo:

Em um primeiro momento pensei que fosse necessaŕio fazer uma atualização e tudo estaria resolvido. Mas como tudo que tem graça, tem que ter um pouco de esforço. Para resolver o problema, instalei um medidor de bateria alternativo, que também é mantido pelo projeto Gnome: o BatteryStatus (http://live.gnome.org/BatteryStatus). Com ele é possível saber qual é o nível relativo da carga da bateria (eg, 90%, 50%, 12% etc). O problema é que ele não consegue calcular o tempo de descarga completa da bateria. Isso se deve ao fato de que alguns modelos de notebook da HP possuem modelos de bateria que simplesmente não informam qual é o tempo exato até a descarga. Então, o problema não é com o linux, mas com o hardware.

Para instalar (em qualquer versão do Ubuntu, a partir da 10.04 – nunca testei nas versões anteriores), basta adicionar o ppa, atualizar a lista de pacotes e instalar o programa:

$ sudo add-apt-repository ppa:iaz/battery-status
$ sudo apt-get update
$ sudo apt-get install battery-status

Feito isto, basta digitar Alt+F2 e digitar “/usr/lib/battery-status/battery-status –indicator”.

Para que o BatteryStatus do Gnome funcione corretamente, permitindo que a energia do notebook possa ser realmente gerenciada através dele, falta a pitada final: configurar o gerenciador de energia através do gconf-editor. Para isso, basta seguir os passos abaixo:

  1. Abra o gconf-editor e vá para />apps>battery_status
  2. Selecione a opção power_manager

Pronto, agora o BatteryStatus do Gnome está corretamente funcionando e mostrando o tempo restante da bateria corretamente.

Transferindo graficamente arquivos via ftp seguro

Esta dica é bastante rápida, mas muito útil. Quem trabalha com redes e com várias máquinas (considere máquinas bastante distintas em termos de configuração e software) sabe que nem sempre é tranquilo copiar ou mover arquivos pela rede. Na linha de comando, temos vários programas dedicados a esta tarefa, como o mais simples ftp, o mais aprimorado sftp e o mais completo ncftp. Todos eles fazem a mesma coisa, com a diferença nos recursos que oferecem. O que nem todo mundo sabe é podemos transferir arquivos entre máquinas diferentes utilizando uma ferramenta gráfica muito simples e conhecida: o gerenciador de arquivos. Ok, se isso for muito óbvio para você, me desculpe, mas estou falando de usar o sftp em conjunto com o nautilus do Gnome!

Para encurtar a história, considere que você precisa selecionar alguns arquivos dentre vários que estão na máquina A para a máquina B. Pelo terminal, isto pode ser uma tarefa bem simples também, mas a possibilidade de se utilizar o mouse neste tipo de operação, pode ser de grande valia.

Para poder utilizar o sftp (ftp sobre ssh) em conjunto com o nautilus, basta digitar o nome de usuário@maquina/pasta na barra de endereço, como na imagem a seguir:

Esta dica é bastante rápida, mas muito útil. Quem trabalha com redes e com várias máquinas (considere máquinas bastante distintas em termos de configuração e software) sabe que nem sempre é tranquilo copiar ou mover arquivos pela rede. Na linha de comando, temos vários programas dedicados a esta tarefa, como o mais simples ftp, o mais aprimorado sftp e o mais completo ncftp. Todos eles fazem a mesma coisa, com a diferença nos recursos que oferecem. O que nem todo mundo sabe é podemos transferir arquivos entre máquinas diferentes utilizando uma ferramenta gráfica muito simples e conhecida: o gerenciador de arquivos. Ok, se isso for muito óbvio para você, me desculpe, mas estou falando de usar o sftp em conjunto com o nautilus do Gnome!

Para encurtar a história, considere que você precisa selecionar alguns arquivos dentre vários que estão na máquina A para a máquina B. Pelo terminal, isto pode ser uma tarefa bem simples também, mas a possibilidade de se utilizar o mouse neste tipo de operação, pode ser de grande valia.

Para poder utilizar o sftp (ftp sobre ssh) em conjunto com o nautilus, basta digitar o nome de usuário@maquina/pasta na barra de endereço, como na imagem a seguir:

No KDE:

fish://usuario@maquina/pasta/onde/estao/os/arquivos

No Gnome:

sftp://usuario@maquina/pasta/onde/estao/os/arquivos

Outro recurso do nautilus que agragado ao uso do sftp ajuda bastante é o painel extra (basta pressionar F3 ou ir na barra de menus e apontar para View>Extra Pane). Assim fica bem fácil de selecionar e copiar/mover os arquivos desejados!